Brexit: o Futuro Incerto do Reino Unido

Brexit: o Futuro Incerto do Reino Unido

Enquanto os britânicos estão a favor de deixar a União Européia há dois meses, os primeiros passos ainda não foram acionados para dar início a este "divórcio". Em primeiro lugar, o impacto econômico direto foi mais fraco do que o esperado para a economia do Reino Unido com indicadores econômicos positivos, apesar do voto. E mesmo que a economia tenha sido afetado pelo Brexit, até agora tem conseguido manter uma certa estabilidade. No entanto, os próximos meses são susceptíveis de ser mais difícil, pois serão implementados medidas para a saída dos países da União Européia.

Desde a renúncia de David Cameron, que assumiu como nova líder foi Theresa May. Ela está confiante sobre a capacidade do país de resistir a essas mudanças econômicas. Esse otimismo, no entanto, não é compartilhado por todos os parceiros econômicos do Reino Unido, que irão acompanhar de perto as negociações entre Londres e Bruxelas.

Este é o caso do Japão, um dos principais parceiros econômicos do Reino Unido, que manteve  uma porta de entrada no país, até o dia do resultado da votação. O Reino Unido é responsável por metade dos investimentos direto do japão no exterior dedicada à União Européia, com uma alta concentração de bancos, fabricantes de automóveis, laboratórios farmacêuticos. Estas empresas empregam mais de 140.000 pessoas no Reino Unido.

O governo japonês, desde então, levantou preocupações sobre o Brexit, que foi transmitido ao governo britânico atual sobre as grandes empresas japonesas que operam em solo britânico.

Os pontos de interesse são:

A proteção e manutenção de acordos de livre comércio para evitar a introdução de novas restrições aduaneiras entre a ilha britânica e a União Européia.

Fabricantes querem sempre beneficiar-se do "Made in EU" para os produtos fabricados no Reino Unido.

O lado bancário, especialmente a manutenção do "passaporte europeu" preocupado com o passaporte que permite que as instituições financeiras, com base em Londres possam acessar todo o mercado da União Européia.

Ao lado de grandes empresas farmacêuticas japonesas, é essencial que as atividades de descobertas possam beneficiar-se de fundos europeus que recebem de seus parceiros britânicos.

O governo de Tóquio indicou claramente os pontos-chave para manter as atividades japonesas no Reino Unido, e caso não forem levados em conta, poderá acontecer a retirada de investimentos japoneses do país.

Por um lado, o Reino Unido também quer proteger-se contra as possíveis consequências negativas do Brexit, conscientes de possíveis dificuldades que estão vindo logo à frente.

theresa mayTheresa May disse no G20 na China:

"Devemos preparar-nos para a idéia de que tempos difíceis estão logo à frente"

Apesar de ser otimista, os números da economia britânica do Brexit mostram ainda a sua resistência. O procedimento de "divórcio" entre o Reino Unido e da União Européia deve ser lançado até o final do ano. A partir do momento em que o artigo 50 do Tratado de Lisboa for ativado, o Reino Unido terá dois anos para negociar os termos da sua partida e seu novo relacionamento com a União Européia. Mas o governo já está trabalhando na nova relação que pretende estabelecer com a União Européia.

Em paralelo, o governo anunciou novas medidas para minimizar o Brexit, tais como a criação de um fundo de 3 bilhões de libras para apoiar o mercado imobiliário. A idéia deste fundo é apoiar o investimento pelos fabricantes para incentivar a construção de novos projetos residenciais, bem como apoiar os programas de construção de infra-estrutura. Este novo fundo é principalmente para desenvolvedores de pequeno e médio portes e devem proporcionar o acesso a empréstimos baratos e reduções nos procedimentos administrativos. Ainda é difícil estabelecer as consequências reais do Brexit no mercado imobiliário do Reino Unido, mas o governo quer assumir a liderança com programas de apoio consideráveis.

De um ponto de vista político, Theresa May reiterou que não iria provocar eleições antecipadas, preferindo dar ao Reino Unido um período de estabilidade política diante destes meses delicados que estão por vir. As próximas eleições, acontecerão somente em 2020.

Os passos que serão dados nos próximos meses serão decisivos para a economia do Reino Unido e como o país irá decidir se posicionar em relação à União Européia. O Reino Unido vai em primeiro lugar atender aos cidadãos que votaram pela saída da União Européia, e ao mesmo tempo os interesses econômicos nacionais e estudar uma forma de manter os  investimentos estrangeiros, não permitindo a fuga destes capitais para outro países da União Européia. Se o Reino Unido não conseguir estabelecer uma relação economicamente benéfica com a União Européia, certamente vai mostrar os sinais de fraqueza, que foram resistentes à sua economia até agora.

Última Atualização em 09/09/16

Continue esta discussão no Forum