Os bancos centrais como bóias de salva-vidas

Os bancos centrais como bóias de salva-vidas

O mês de agosto, tradicionalmente leve em volume, foi muito difícil para os investidores. Muita incerteza tem cercado os mercados financeiros nos últimos tempos, já que o clima dos investidores ficou paralisado durante o desenvolvimento da guerra comercial entre os EUA e China, e dos diversos sinais de uma recessão iminente, do caso do Brexit, da situação política da Itália e até mesmo na última temporada de publicação de lucros corporativos. Todos esses tópicos abalaram o apetite comercial, proporcionando um grande risco neste verão, e portanto, agora os traders contam com os bancos centrais para apoiar as economias e trazer mais paz a este ambiente comercial incerto.

Mas, no entanto, permanecem questões: o que os bancos centrais podem fazer? O BCE e o FED estão no mesmo comprimento de onda? O que podemos esperar da próxima reunião de Jackson Hole ?

O início do ano mostrou um forte apetite dos investidores por ativos de risco, mas esses tempos parecem distantes agora. O rali do mercado de ações observado durante o primeiro semestre de 2019 foi construído principalmente na esperança de uma resolução da guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo, mas no final de agosto a relação entre os dois blocos pareceu improvável que avancem para uma solução justa para ambas as nações.

Além disso, os investidores estão cada vez mais preocupados com os múltiplos efeitos negativos que essa guerra comercial já teve nos dois países: o PIB dos EUA (anual) diminuiu para 2,1% no segundo trimestre, a China desacelerou de suas exportações, bem como da produção industrial após a produção industrial atingir seu nível mais baixo em 17 anos em julho. Além disso, essa guerra comercial também teve conseqüências adversas para outros países: o PIB da Alemanha caiu 0,1% no segundo trimestre, enquanto o Brasil experimentou uma desaceleração na demanda por matérias-primas feito pela China e espera um declínio nas exportações para os Estados Unidos, enquanto que as fábricas no Reino Unido continuam sofrendo com a baixa demanda (embora que o Brexit também tenha tido uma influência significativa).

O único momento de alta para as ações vem dos ajustes da política monetária dos bancos centrais, especialmente do Fed. A sensação de retorno do risco já se fortaleceu desde o início de julho, quando o Banco Central Europeu e o Fed (Federal Reserve) mostraram uma revira volta surpreendente, afirmando que "agiriam conforme o apropriado" para apoiar a economia. Desde então, o Federal Reserve já começou a reduzir suas taxas de refinanciamento em 25 pontos-base, enquanto o BCE forneceu recentemente aos investidores, novas indicações de estímulo em setembro.

O que esperar das próximas reuniões do banco central ?

Mesmo que os riscos de recessão se acumulem, os bancos centrais estão fazendo tudo ao seu alcance para se proteger contra tal situação. Dados econômicos ruins informados recentemente não tiveram um impacto significativo nos preços das ações, uma vez que os mercados financeiros são artificialmente mantidos em um estado de equilíbrio frágil, na esperança de medidas de estímulo. Os investidores agora estão assistindo as próximas reuniões do Fed e do BCE, com foco especial no que acontecerá durante o evento de Jackson Hole.

Embora a probabilidade das taxas de juros globais mostre que já são previstas e antecipadas reduções adicionais pelo mercado, os traders se concentrarão na semântica e no tom empregados por Jerome Powell e Mario Draghi em reuniões futuras, e em particular após o presidente do Fed dizer em julho que os cortes atuais deveriam ser incluídos em uma "política de ajuste no meio do ciclo", mais do que em um novo ciclo claramente acomodativo.

FED vs BCE

A situação pode ser ainda pior para a zona do euro do que para os Estados Unidos, porque as taxas de diretores estão ainda em território negativo no velho continente (-0,40). Por sua vez, o FED, ao realizar um novo ciclo de aumentos de taxas até 2016, deu mais flexibilidade para reagir a qualquer desaceleração da economia. No entanto, o BCE possui outras armas para apoiar a zona do euro e o banco central já está trabalhando em um "pacote muito importante" de medidas de estímulo (incluindo cortes de taxas e compras de títulos) para apoiar a economia nacional.

Dito isso, há uma boa chance de que a reunião de Jackson Hole, não seja um evento, mas certamente resultará em maior volatilidade do mercado, mas nenhuma direção clara para os preços. Setembro seja um mês decisivo para os bancos centrais, pois as novas medidas para o final de 2019 serão anunciadas e a maioria dos investidores retornará às telas após o tradicional período de verão.


Pierre Veyret - Analista Técnico da ActivTrades

Encontre mais análises em www.activtrades.com

As informações fornecidas não constituem ou devem ser interpretadas como consultoria, recomendação ou pesquisa de investimento. Esse suporte não foi preparado de acordo com os requisitos legais para promover a independência da pesquisa de investimento, e portanto, deve ser considerado como comunicação de marketing.

Toda a informação foi produzida pela ActivTrades PLC ("AT"). As informações não contêm histórico de preços, oferta ou solicitação de AT para uma transação relacionada a qualquer instrumento financeiro. Nenhuma representação ou garantia é dada quanto à precisão ou integridade dessas informações.

Qualquer material fornecido não leva em consideração o objetivo de investimento e a situação financeira de qualquer pessoa que possa recebê-lo. O desempenho passado não é um indicador confiável de desempenho futuro. AT fornece apenas um serviço de tempo de execução.

Portanto, qualquer pessoa que atue com base nas informações apresentadas o faz por seu próprio risco.

Última Atualização em 17/09/19

Continue esta discussão no Forum