Segundo Referendo do Brexit: Será o tempo para uma nova mudança?

Segundo Referendo do Brexit: Será o tempo para uma nova mudança?

Dois anos depois dos eleitores do Reino Unido terem decidido deixar a UE, as negociações do Brexit parecem estar em algum tipo de impasse. No entanto, o país tem uma certeza: o Brexit será um processo longo, doloroso e caro.

É por isso que, há uma semana, The Independent (jornal inglês) fez um apelo ao público por meio de uma petição para pedir ao governo um segundo referendo.Até o momento, mais de 500.000 pessoas assinaram a petição para uma última palavra sobre o acordo de Theresa May com o Brexit.

No entanto, o próprio primeiro-ministro assegurou que:

“Nós estamos deixando a UE e não há dúvidas para termos um segundo referendo ou talvez de voltarmos atrás, eu penso que é importante. As pessoas no Reino Unido sentem fortemente, que se tomarmos uma decisão, então os governos não poderão se voltar e dizer: não, você entendeu errado”.

Por que a necessidade de um segundo referendo?

A razão pela qual The Independent, a deputada conservadora Justine Greening e muitos outros políticos e membros do público estão pedindo um segundo referendo é simplesmente porque o primeiro foi baseado em especulação e o segundo seria em fatos. Muitos argumentam que um segundo referendo permitiria que a população revisse sua decisão, uma vez que a campanha "Deixar" quebrou a lei eleitoral e transmitiu informações falsas para convencer os eleitores. Também parece claro que a Brexit vai tornar as importações, exportações e negócios internacionais significativamente mais complicadas e caras. Muitas empresas multinacionais já ameaçaram deixar o Reino Unido, e algumas já o fizeram.

Resumindo, hoje sabemos muito mais sobre as consequências de deixar a UE do que há dois ou três anos atrás. E por que não encorajar uma escolha mais informada?

Outra razão pela qual um segundo referendo pode ser necessário é que o governo de Theresa May, não pode por lei, assinar um acordo de Brexit com a aprovação de parlamentares. O que aconteceu nas últimas semanas, mostrou que o Parlamento está propenso a rejeitar qualquer acordo que venha a surgir, e o Trabalhador impôs condições aparentemente impossíveis de satisfação e até mesmo o Partido Conservador parece estar se voltando contra seu líder. Em resumo, a aprovação do MP do acordo do Brexit de maio é altamente improvável. Então, como o governo pode quebrar o impasse? Simplesmente envolvendo a população do Reino Unido no processo de decisão, mais uma vez.

O que é tão diferente desta vez?

Primeiramente, o Brexit não é mais um sonho utópico (ou pesadelo) distante. As negociações que estão em curso nos últimos dois anos tornaram a saída do Reino Unido da UE muito mais tangível.

Por exemplo, aqueles que esperaram e previram um futuro glorioso para o país tiveram que aceitar a realidade do Brexit.

O primeiro referendo foi o arquétipo da política de identidade, apelando para aqueles nostálgicos de uma época diferente e que ainda não tinham conseguido lidar com a Grã-Bretanha de hoje e o seu lugar na UE e no mundo. Como resultado, a decisão dos eleitores de deixar a UE não foi uma surpresa: promessas de aumento de fundos para o NHS, restrições mais rígidas à imigração e a satisfação de um império britânico nasceu de novo. Como poderíamos resistir? Como na maioria das eleições, os resultados de ambos tiveram como consequência uma área cinzenta. Que tipo de negociação com a UE resultaria disso? Qual o significado para o relacionamento do Reino Unido com os EUA e o resto do mundo? O Reino Unido iria prosperar com o seu próprio dinheiro sem depender de subvenções da UE? Haveria limitações à imigração para tornar o país “um pouco mais britânico”?

O segundo referendo seria ligeiramente diferente. A questão não é mais "o Reino Unido deve deixar a UE?", mas "o Reino Unido está feliz com o acordo de maio com o Brexit?". Isso daria ao público a oportunidade de ter sua opinião sobre o acordo final, e não sobre as promessas vagas e idealistas que foram dadas em 2016.

Enquanto as perspectivas de longo prazo para a Inglaterra pós-Brexit ainda são incertas, a Grã-Bretanha, à curto prazo está em uma jornada longa e difícil, com poucas promessas de prosperidade econômica e social. Se os eleitores do Reino Unido votarem contra o acordo do Brexit de Theresa May e decidirem permanecer na UE, resta saber se a UE está disposta a aceitar o Reino Unido, de volta.

Última Atualização em 16/08/18

Continue esta discussão no Forum