Saiba as últimas notícias de 2019 sobre o Brexit

Saiba as últimas notícias de 2019 sobre o Brexit

Quando escrevemos pela última vez sobre o Brexit, Theresa May estava fazendo alterações de última hora em sua proposta Brexit antes da cúpula da União Européia (UE). Apesar do acordo ter sido aprovado por representantes da União Européia (UE), ainda não está claro se o acordo de Teresa May será cumprido até 29 de março de 2019.

A Dupla Rejeição de Membros do Parlamento anti-Brexit

Somente na semana passada, o acordo de Theresa May foi rejeitado duas vezes por membros parlamentares que votaram pelas emendas 308 a 297, forçando Thereza May a voltar à ‘House of Commons’ (Câmara) em até três dias úteis. Uma votação na Câmara, portanto, está marcada para o dia 15 de janeiro de 2019. Caso o acordo de retirada da UE seja rejeitado, a primeira-ministra britânica deverá fazer uma declaração formal sobre o que pretende fazer em seguida e deverá fazê-la antes do dia 21 de janeiro de 2019. Esta declaração tomará a forma de uma moção que os Membros Parlamentares poderão alterar, dando ao Parlamento a oportunidade de planejar um Brexit alternativo, ou nenhum Brexit.

Convocação para uma eleição geral no Reino Unido em caso de derrota

Será que o acordo de Theresa May sobre o Brexit vai ser recusado no dia 15 de janeiro de 2019? (O líder trabalhista Jeremy Corbyn expressou sua intenção de desafiar um voto de desconfiança na primeira ministra britânica). Embora o momento do gatilho ainda não esteja claro, o líder trabalhista provavelmente pedirá uma eleição geral dentro dos próximos dias.

No show de Andrew Marr, do canal da BBC, Corbyn disse que sua prioridade era evitar um Brexit sem compromisso, em vez de um "voto popular". Isto veio como um semi-golpe para os membros do Partido Trabalhista, 72% dos quais são a favor de uma ‘Final Say Referendum’ ou seja ‘Última Palavra do Referendo’. “No meu ponto de vista eu preferiria negociar agora, pois se pudermos evitar o perigo de uma saída sem compromisso da UE em 29 de março, o que seria catastrófico para a indústria, catastrófico para o comércio e para os efeitos à longo prazo disso que deverão ser enormes”, explicou.

“Final Say” Referendum ou  ‘Última Palavra do Referendo’

O jornal Telegraph recentemente entrevistou 1.500 pessoas sobre qual o caminho que eles preferiam que o acordo de Thereza May, fosse recusado pelos membros parlamentares. Entre as 5 opções foram dadas: Renegociações com Bruxelas, sem-acordo Brexit, um segundo referendo, negócio modelo da Noruega e permanecendo na UE.

Opção 1: Um segundo referendo

• 46% a favor
• 28% contra
• 26% não tem certeza

Opção 2: Continuar na UE

• 45% a favor
• 39% contra
• 16% não tem certeza

Opção 3: Novas negociações com a UE

• 45% a favor
• 34% contra
• 21% não tem certeza

Opção 4: Negociação modelo da Noruega (acesso ao mercado único)

• 40% a favor
• 36% contra
• 24% não tem certeza

Opção 5: Sem acordo Brexit

• 35% a favor
• 45% contra
• 21% não tem certeza

A primeira opção mais votada pelo público foi um segundo referendo, e a segunda opção mais votada foi permanecer na UE ou renegociar um acordo. A petição criada pelo jornal Telegraph para a votação de ‘Final Say’ em um acordo do Brexit reuniu o apoio de mais de 1,1 milhões de assinaturas desde junho de 2018.

Um apelo para reconsiderar o Brexit foi feito por Membros do Parlamento Europeu

130 Membros do Parlamento Europeu, de todos os países membros, exceto Chipre, assinaram uma carta sincera pedindo ao povo britânico para reconsiderar a saída da UE. Os representantes, que vêm de partidos liberais, conservadores, socialistas e verdes, explicam que ambos respeitam e lamentam a decisão da Grã-Bretanha de deixar a UE, mas que “qualquer decisão britânica de permanecer na UE seria calorosamente recebida por eles e trabalhariam juntos com eles, para reformar e melhorar a União Européia, para que esta, funcione melhor no interesse de todos os cidadãos”.

Iniciada por um Membro do Parlamento Europeu Austríaco, a mensagem diz que a União Européia está “olhando com grande ansiedade” para os eventos que se desdobraram na Grã-Bretanha nos últimos meses. “Estamos relutantes em intervir em sua política interna, mas não podemos deixar de notar que as pesquisas de opinião mostram um crescente número de eleitores que querem uma oportunidade para reconsiderar a decisão do Brexit, agora que está claro que o Brexit é muito diferente das promessas feita pela campanha ‘Leave’ há quase três anos atrás”, diz a carta.

Será que o Brexit vai se estender até julho de 2019?

À luz dos recentes fracassos de Theresa May em aprovar seu acordo Brexit, é improvável que o prazo para sair da UE em 29 de março seja cumprido. Com efeito, Bruxelas espera que a primeira-ministra britânica solicite uma prorrogação do artigo 50 nas próximas semanas. De acordo com uma autoridade da UE, “se a primeira-ministra sobreviver e nos informar que ela precisa de mais tempo para ganhar o parlamento para um acordo, será oferecido uma extensão técnica até julho”. No caso de uma eleição geral ou segundo referendo, o prazo para o Reino Unido se retirar da UE seria estendido ainda mais.

Última Atualização em 14/01/19

Continue esta discussão no Forum