Contração do PIB Chinês no 1º trimestre de 2020

Contração do PIB Chinês no 1º trimestre de 2020

Um golpe

A economia chinesa encolheu 6,8% nos três primeiros meses de 2020 em relação ao ano anterior, a primeira contração deste tipo depois que Pequim começou a relatar seu produto interno bruto trimestral em 1992.

O colapso prenuncia a dor esperada nos Estados Unidos e em todo o mundo, quando a pandemia de coronavírus fechou as fronteiras, interrompeu os negócios e paralisou as cadeias de suprimentos globais.

Após um ganho de 6,0% nos últimos três meses de 2019, o declínio foi realmente mais suave do que a previsão mediana de 8,3% dos economistas. Comparado ao trimestre anterior, o PIB chinês contraiu 9,8%.

A imagem subjacente mostra alguns sinais de recuperação, no entanto, os números enfatizam a fraqueza dos gastos do consumidor. A taxa de desemprego na região urbana na China, em grande parte estática está em torno de 5% durante anos, apesar dos altos e baixos da economia, e permaneceu em um nível alto de 5,9% no final de março, após uma leitura recorde de 6,2% em fevereiro.

As vendas no varejo em março caíram 16% em relação ao ano anterior, muito pior do que os 8,0% esperados.

A produção industrial do mês caiu 1,1% em relação ao ano anterior, superior aos 7,5% esperados. Para o trimestre, o investimento de capital diminuiu 16%, conforme as expectativas, o investimento imobiliário diminuiu 7,7% e as vendas de imóveis 23%.

Enquanto o coronavírus arrasa a economia em todo o mundo, a China faz um balanço em primeiro lugar. O vírus apareceu pela primeira vez no final do ano passado, e foi no final de janeiro, que as autoridades fecharam grande parte da província central de Hubei, que tem quase 60 milhões de habitantes. Efetuou a suspensão de todas as atividades comerciais, exceto as mais essenciais, e o confinamento durou aproximadamente dois meses.

A natureza desse choque é muito diferente de tudo o que já vimos em nossas vidas. Anualmente, o hit do primeiro trimestre colocou a China à beira do choque mais profundo em mais de quatro décadas. Nunca vimos nada assim desde 1976.

A recuperação da China continua frágil. Muitas restrições foram levantadas, mas novas foram promulgadas, incluindo restrições mais severas em vôos internacionais, para evitar uma segunda onda de infecções possivelmente vindas do exterior.

Economistas e analistas estão monitorando de perto a recuperação econômica na China. Estima-se que a atividade comercial exceda 80% da capacidade, acima dos 70% de um mês atrás.

A China e suas dependências

Embora a China tenha mudado sua economia para o consumo doméstico nos últimos anos, ela continua fortemente dependente das exportações, que enfrentaram uma série de desafios este ano. As cadeias de suprimentos da Knotty impediram que os materiais chegassem às fábricas, enquanto as restrições ao movimento interno impediram que os trabalhadores retornassem ao trabalho após viagens a suas cidades natais, para férias do novo ano lunar no fim de Janeiro.

Agora, o mais preocupante, é os clientes chineses nos Estados Unidos e no Ocidente que estão em grande parte ausentes, e a demanda deverá permanecer deprimida em um futuro próximo.

É o maior desafio para a economia chinesa e mundial em tempos de paz na história moderna. Onde as desacelerações econômicas anteriores se desenvolveram gradualmente, o choque do coronavírus é como um golpe repentino, como se o botão de pausa fosse pressionado.

Um porta-voz do Escritório Nacional de Estatística deu uma visão optimista da situação, apesar de admitir que o crescimento será difícil de manter à medida que a situação econômica global se deteriorar.

« Ele disse que a economia da China "melhorou consideravelmente" em março, e esse momento provavelmente continuará em abril e no restante do segundo trimestre. Ele também disse que a China não sofreu demissões em larga escala com a pandemia, embora os economistas tenham chegado a conclusões diferentes. » 

A China e os empregos

Estima-se que entre 50 à 60 milhões de trabalhadores no setor de serviços e mais 20 milhões nos setores industriais e de construção perderam o emprego ou não puderam retornar ao trabalho no primeiro trimestre devido as restrições de viagem e outras medidas da quarentena.

É provável que o mercado de trabalho se recupere à medida que mais trabalhadores encontrarem novos empregos. Apesar disso, é previsível uma queda de 14 milhões de empregos não agrícolas no ano, cancelando assim os ganhos gerais de emprego em mais de dois anos. A população chinesa em idade ativa para trabalhar é de cerca de 900 milhões de habitantes.

De maneira mais geral, alguns economistas questionaram se a taxa de desemprego na China captura com precisão o mercado de trabalho, uma vez que demissões entre trabalhadores migrantes e outros grupos não estão incluídas na pesquisa.

Tão preocupante quanto a pressão sobre o emprego, a China anunciou um declínio ano a ano na renda disponível ajustada pela inflação urbana - a primeira desde que o governo começou a divulgar dados em 2002. Isso poderia lidar com o consumo doméstico, que agora representa mais da metade da economia chinesa.

Queda do PIB chinês

A queda do PIB no primeiro trimestre coloca Pequim no fundo do poço desde o início do que os líderes esperavam ser um ano triunfal. O presidente Xi Jinping havia estabelecido uma meta no final do ano de dobrar o nível geral do PIB uma década antes e erradicar a pobreza - tudo em nome da construção do que os líderes chamam de "uma sociedade moderadamente próspera em todos os aspectos."

Economistas dizem que atingir essas metas requer um crescimento anual do PIB de cerca de 5,5% - o que os economistas acreditavam que era possível antes do surgimento público do coronavírus em meados de janeiro. Mas o declínio histórico no primeiro trimestre significa que a economia agora deve se recuperar fortemente.

Alguns economistas especularam que a China abandonará seu costume este ano de estabelecer uma meta formal para o crescimento econômico. A China poderia efetivamente cancelar o desastroso primeiro trimestre e estabelecer uma meta de crescimento para o resto do ano. A longo prazo, o objetivo de crescimento poderia ser substituído por um objetivo de emprego.

A meta geralmente é estabelecida em reuniões anuais de gerenciamento no início de março, embora este ano tenha sido adiado devido ao coronavírus.

O abandono da meta formal daria aos líderes maior flexibilidade política neste ano de desafios sem precedentes, com pequenas empresas em risco de falência e aumento do desemprego. O país já espera que o mercado de trabalho seja inundado pela maior categoria de graduados em uma década.

Outros economistas depositaram suas esperanças em um grande pacote de estímulo governamental para impulsionar a atividade comercial.

As autoridades irão provavelmente revelar mais medidas políticas para mitigar o impacto da pandemia, se necessário, e assim colocarão o foco no apoio à demanda interior.

Última Atualização em 21/04/20

Artigos que você poderá gostar

Continue esta discussão no Forum